Visão geral de EIC Pathfinder, EIC Transition e EIC Accelerator: diferenças e expectativas de TRL

O European Innovation Council (EIC) no âmbito do quadro Horizonte Europa oferece três programas distintos para apoiar todo o ciclo de vida da inovação: EIC Pathfinder, EIC Transition e EIC Accelerator. Cada programa visa diferentes estágios de desenvolvimento tecnológico, fornecendo financiamento e apoio personalizados para ajudar inovações revolucionárias a chegarem ao mercado. Esta visão geral explica as diferenças entre estes programas, os seus requisitos específicos e como estão ligados através das suas expectativas de Nível de Preparação Tecnológica (TRL). Os programas EIC Pathfinder, EIC Transition e EIC Accelerator são intrinsecamente projetados para fornecer suporte abrangente em todo o ciclo de vida da inovação, permitindo que as empresas se beneficiem do incentivo contínuo a subsídios do TRL 1 ao TRL 9. O EIC Pathfinder apoia pesquisas de alto risco em estágio inicial para explorar novas ideias e obter prova de conceito (TRL 1-4). Os projetos Pathfinder bem-sucedidos podem então progredir para EIC Transition, o que ajuda a validar e demonstrar a viabilidade destas tecnologias em ambientes relevantes (TRL 3-6), colmatando a lacuna entre a investigação e a preparação para o mercado. Finalmente, o EIC Accelerator oferece apoio direcionado para inovações prontas para o mercado (TRL 5-9), fornecendo subvenções e investimento de capital para ajudar as empresas a comercializar os seus produtos, escalar as suas operações e perturbar os mercados existentes. Esta progressão contínua garante que as empresas inovadoras possam desenvolver continuamente as suas tecnologias, desde o conceito inicial até à plena implantação no mercado, tirando partido dos mecanismos abrangentes de financiamento e apoio do EIC em cada fase crítica. Objetivo do EIC Pathfinder O EIC Pathfinder apoia pesquisas visionárias e a exploração de ideias ousadas para criar tecnologias inovadoras. Centra-se na investigação em fase inicial para estabelecer as bases para inovações transformadoras. Principais características Escopo de financiamento: Apoia projetos de pesquisa de alto risco e alto ganho que exploram novas possibilidades tecnológicas. Foco do TRL: Visa principalmente o TRL 1 ao TRL 4. TRL 1: Princípios básicos observados. TRL 2: Conceito de tecnologia formulado. TRL 3: Prova experimental de conceito. TRL 4: Tecnologia validada em laboratório. Requisitos Elegibilidade: Aberto a consórcios de pelo menos três entidades jurídicas independentes de diferentes Estados-Membros ou Países Associados. Entidades individuais, como PME de alta tecnologia e organizações de investigação, também podem candidatar-se. Proposta: Deve delinear um projeto de pesquisa visionário, de alto risco e com forte potencial de avanço científico e tecnológico. Montante da subvenção de financiamento: Até 3 milhões de euros para Pathfinder Open, até 4 milhões de euros para Pathfinder Challenges. Taxa de financiamento: 100% de custos elegíveis. Objetivo do EIC Transition O EIC Transition visa preencher a lacuna entre a pesquisa em estágio inicial e a preparação para o mercado. Centra-se no amadurecimento e validação de tecnologias desenvolvidas no âmbito do EIC Pathfinder e de outros projetos financiados pela UE. Principais Características Escopo de Financiamento: Apoia atividades para validar e demonstrar a viabilidade de novas tecnologias em ambientes relevantes para aplicações. Foco TRL: Tem como alvo TRL 3 a TRL 6. TRL inicial: TRL 3 (prova de conceito experimental) ou TRL 4 (tecnologia validada em laboratório). Finalizando o TRL: TRL 5 (Tecnologia validada em ambiente relevante) a TRL 6 (Tecnologia demonstrada em ambiente relevante). Requisitos Elegibilidade: Aberto a entidades únicas (PME, spin-offs, startups, organizações de investigação, universidades) ou consórcios (2-5 entidades) de Estados-Membros ou Países Associados. Proposta: Deve basear-se nos resultados de EIC Pathfinder anteriores, FET (Tecnologias Futuras e Emergentes) ou outros projetos financiados pela UE. As propostas devem incluir um plano de trabalho detalhado para validação de tecnologia e desenvolvimento de negócios. Montante da Subvenção de Financiamento: Até 2,5 milhões de euros, sendo possíveis montantes superiores se justificado. Taxa de financiamento: 100% de custos elegíveis. Objetivo do EIC Accelerator O EIC Accelerator apoia PME individuais, incluindo startups e spin-offs, para desenvolver e ampliar inovações de alto impacto com potencial para criar novos mercados ou perturbar os existentes. Características principais Âmbito de financiamento: Fornece financiamento subvencionado e investimento de capital para ajudar as PME a trazerem as suas inovações para o mercado. Foco do TRL: Tem como alvo o TRL 5 ao TRL 9. TRL inicial: TRL 5 (Tecnologia validada em ambiente relevante) ou TRL 6 (Tecnologia demonstrada em ambiente relevante). TRL final: TRL 8 (Sistema completo e qualificado) a TRL 9 (Sistema real comprovado em ambiente operacional). Requisitos Elegibilidade: Aberto a PME individuais dos Estados-Membros ou de países associados. Mid-caps (empresas com até 500 funcionários) também podem solicitar blended finance (subsídio + capital próprio). Proposta: Deve apresentar uma inovação de alto potencial com um forte business case e claro potencial de mercado. As propostas devem incluir um plano de comercialização e expansão. Financiamento Montante da subvenção: Até 2,5 milhões de euros para apoio apenas a subvenções, com investimento de capital adicional disponível até 15 milhões de euros. Taxa de financiamento: 70% de custos elegíveis para componente de subvenção, componente de capital determinado com base nas necessidades de investimento. Conectando os programas por meio das expectativas do TRL, desde a pesquisa inicial até a preparação para o mercado Os três programas do EIC são projetados para apoiar todo o ciclo de vida da inovação, desde a pesquisa em estágio inicial até a entrada no mercado: EIC Pathfinder (TRL 1-4): concentra-se na pesquisa básica e na prova experimental de conceito, estabelecendo as bases científicas e tecnológicas para futuras inovações. EIC Transition (TRL 3-6): Preenche a lacuna entre a pesquisa exploratória e a preparação para o mercado, validando e demonstrando tecnologias em ambientes relevantes. EIC Accelerator (TRL 5-9): Apoia o desenvolvimento, a comercialização e a expansão de inovações prontas para o mercado, ajudando as PME a colocar os seus produtos no mercado. Progressão contínua EIC Pathfinder para EIC Transition: Projetos que obtiverem prova de conceito e validação de laboratório bem-sucedidas em EIC Pathfinder podem progredir para EIC Transition para validação e demonstração adicionais em ambientes relevantes. EIC Transition a EIC Accelerator: Depois que as tecnologias forem validadas e demonstradas em ambientes relevantes, elas poderão avançar para EIC Accelerator para desenvolvimento final, entrada no mercado e expansão. Resumo EIC Pathfinder: Pesquisa em estágio inicial (TRL 1-4), projetos visionários e de alto risco. EIC Transition: Ponte entre pesquisa e mercado (TRL 3-6), validação de tecnologia e demonstração. EIC Accelerator: Preparação e expansão do mercado (TRL 5-9), apoio à comercialização para PME. Ao compreender as funções distintas e as expectativas do TRL de cada programa EIC, os inovadores podem planear estrategicamente o seu percurso de desenvolvimento de projetos, garantindo uma progressão contínua desde a investigação inovadora até à introdução bem sucedida no mercado.

Preenchendo a lacuna: o programa de subsídios EIC Transition explicado

O Programa de Transição European Innovation Council (EIC) é uma componente crítica do quadro Horizonte Europa, concebido para colmatar a lacuna entre a investigação em fase inicial e as inovações prontas para o mercado. Este programa visa especificamente o avanço e o amadurecimento de tecnologias promissoras desenvolvidas no âmbito de projetos EIC Pathfinder e outras iniciativas de investigação financiadas pela UE. Ao fornecer financiamento e apoio, o EIC Transition ajuda a validar e demonstrar a viabilidade destas tecnologias em aplicações do mundo real, facilitando o seu caminho para a comercialização e impacto social. Objetivos do Programa EIC Transition O Programa EIC Transition visa: Validar Tecnologias: Apoiar projetos na comprovação da viabilidade e robustez de novas tecnologias em ambientes relevantes para aplicações. Desenvolver Planos de Negócios: Auxiliar na criação de planos de negócios abrangentes que delineiam o potencial comercial e a estratégia de mercado para a tecnologia. Reduzir os riscos de mercado: Mitigar os riscos técnicos e comerciais associados à introdução de novas tecnologias no mercado. Promover a Inovação: Incentivar o desenvolvimento de soluções inovadoras que possam enfrentar desafios sociais e económicos significativos. Critérios de elegibilidade Quem pode se inscrever? O Programa EIC Transition está aberto a: Entidades únicas: como pequenas e médias empresas (PMEs), spin-offs, startups, organizações de pesquisa e universidades. Consórcios: Compostos por um mínimo de duas e um máximo de cinco entidades jurídicas independentes de diferentes Estados-Membros ou Países Associados. Requisitos específicos Fonte dos resultados: Os projetos devem basear-se nos resultados dos projetos EIC Pathfinder, FET (Tecnologias Futuras e Emergentes) ou outras iniciativas de investigação financiadas pela UE. Estágio de Desenvolvimento: As tecnologias deverão estar em TRL (Technology Readiness Level) entre 3 e 4 no início do projeto, visando atingir TRL 5 a 6 ao final do projeto. Financiamento e Apoio Apoio Financeiro O Programa EIC Transition fornece apoio financeiro substancial a projetos bem-sucedidos: Montante da subvenção: Até 2,5 milhões de euros por projeto, embora montantes mais elevados possam ser solicitados se justificado. Taxa de Financiamento: 100% de custos elegíveis, cobrindo despesas como pessoal, equipamento, consumíveis e subcontratação. Suporte Adicional Além do suporte financeiro, o EIC Transition oferece: Serviços de aceleração de negócios: serviços personalizados, incluindo coaching, mentoria e oportunidades de networking com líderes do setor, investidores e parceiros do ecossistema. Acesso a conhecimentos especializados: Orientação dos gestores de programas do EIC e acesso a um conjunto de peritos externos para apoiar o processo de maturação tecnológica. Processo de candidatura Envio de propostas Os candidatos devem submeter as suas propostas através do Portal de Oportunidades de Financiamento e Concurso da UE. As propostas deverão fornecer informações detalhadas sobre: Tecnologia e Inovação: Descrição da tecnologia, sua novidade e a inovação específica que representa. Plano de Trabalho: Plano abrangente que descreve os objetivos, metodologia, marcos, resultados e estratégias de gerenciamento de risco do projeto. Potencial de Mercado: Análise do potencial de mercado, incluindo mercados-alvo, cenário competitivo e estratégia de comercialização. Capacidades do Consórcio: Evidência da capacidade do consórcio para executar o projeto com sucesso, incluindo conhecimentos especializados, recursos e experiência anterior. Critérios de Avaliação As propostas são avaliadas com base em três critérios principais: Excelência: Inovação: A novidade e o caráter inovador da tecnologia. Mérito Científico e Tecnológico: A solidez da metodologia e abordagem tecnológica propostas. Impacto: Potencial de Mercado: O potencial de comercialização e aceitação pelo mercado. Benefícios Sociais e Económicos: Os benefícios previstos para a sociedade e a economia. Qualidade e Eficiência da Implementação: Plano de Trabalho: A clareza, coerência e eficácia do plano de trabalho. Competência do Consórcio: As capacidades e conhecimentos dos membros do consórcio. Processo de Avaliação O processo de avaliação envolve múltiplas etapas: Avaliação Remota: As propostas são primeiro avaliadas remotamente por especialistas independentes com base nos critérios acima. Reuniões de consenso: Os avaliadores discutem e concordam com as pontuações e comentários de cada proposta. Entrevistas: As propostas melhor classificadas poderão ser convidadas para uma entrevista com um júri de avaliação, incluindo especialistas e potenciais investidores. Principais benefícios do EIC Transition Construindo uma ponte sobre o Vale da Morte O Programa EIC Transition aborda o chamado “vale da morte”, a fase crítica em que muitas tecnologias promissoras não conseguem chegar à comercialização devido à falta de financiamento e apoio. Ao fornecer recursos financeiros e orientação especializada, o EIC Transition ajuda os projetos a superar esse obstáculo e a se aproximarem da prontidão para o mercado. Acelerando a Inovação Ao focar tanto na validação tecnológica quanto no desenvolvimento de negócios, o EIC Transition acelera o processo de inovação. Esta dupla abordagem garante que os projetos não sejam apenas tecnicamente viáveis, mas também comercialmente viáveis, aumentando as suas hipóteses de sucesso no mercado. Reforçar a competitividade europeia O EIC Transition desempenha um papel vital no aumento da competitividade das tecnologias e empresas europeias na cena global. Ao apoiar inovações de elevado potencial, o programa contribui para o desenvolvimento de soluções de ponta que podem enfrentar desafios globais e impulsionar o crescimento económico. Histórias de Sucesso Vários projetos financiados no âmbito do Programa EIC Transition fizeram avanços significativos em direção à comercialização. Exemplos notáveis incluem: Projeto A: Uma tecnologia inovadora para armazenamento de energia sustentável, que validou com sucesso o seu protótipo e atraiu investimentos significativos para desenvolvimento futuro. Projeto B: Um dispositivo médico inovador que melhorou os resultados dos pacientes e garantiu parcerias com os principais prestadores de cuidados de saúde para entrada no mercado. Projeto C: Um novo material com propriedades superiores para aplicações industriais, que demonstrou sua viabilidade e escalabilidade, levando a acordos comerciais com os principais players da indústria. Conclusão O Programa EIC Transition é uma iniciativa fundamental concebida para apoiar o amadurecimento e a comercialização de tecnologias inovadoras. Ao fornecer financiamento substancial, orientação especializada e apoio empresarial, o programa ajuda a colmatar a lacuna entre a investigação e o mercado, garantindo que inovações de elevado potencial possam ter um impacto tangível na sociedade e na economia. Os investigadores, inovadores e empreendedores são incentivados a aproveitar esta oportunidade para trazer as suas tecnologias para o mercado e contribuir para o avanço da inovação europeia. Navegando pelos critérios de avaliação EIC Transition: um guia abrangente Introdução O Programa de Transição European Innovation Council (EIC) foi projetado para ajudar tecnologias promissoras na transição de pesquisas em estágio inicial para inovações prontas para o mercado. Um aspecto crítico do Programa EIC Transition é o processo de avaliação, que avalia rigorosamente as propostas para garantir que apenas os projetos mais promissores e impactantes recebam financiamento. Compreender os critérios de avaliação é essencial para que os candidatos possam alinhar as suas propostas de forma eficaz e maximizar as suas hipóteses de sucesso. Este artigo fornece uma visão geral detalhada dos critérios de avaliação EIC Transition, oferecendo insights sobre o que os avaliadores procuram nas propostas e como os candidatos podem melhor atender a essas expectativas. Visão geral do processo de avaliação O processo de avaliação… Consulte Mais informação

Navegando pelos critérios de avaliação EIC Pathfinder: um guia abrangente

O European Innovation Council (EIC) Pathfinder é um programa emblemático no âmbito do quadro Horizonte Europa, concebido para apoiar projetos de investigação de alto risco e elevada recompensa destinados ao desenvolvimento de tecnologias inovadoras. Compreender os critérios de avaliação das propostas EIC Pathfinder é crucial para os candidatos que procuram financiamento. Este artigo fornece uma visão geral detalhada dos critérios de avaliação do EIC Pathfinder, oferecendo insights sobre o que os avaliadores procuram nas propostas e como os candidatos podem alinhar seus projetos para atender a essas expectativas. Visão Geral do Processo de Avaliação O processo de avaliação das propostas EIC Pathfinder é rigoroso e envolve múltiplas etapas. As propostas são avaliadas por avaliadores especializados independentes com base em três critérios principais: Excelência, Impacto e Qualidade e Eficiência da Implementação. Cada critério possui subcritérios específicos que fornecem uma estrutura estruturada para avaliação. Etapas da Avaliação Avaliação Individual: Cada proposta é primeiramente avaliada individualmente por pelo menos quatro avaliadores especialistas. Grupo de Consenso: Os avaliadores discutem suas avaliações individuais e chegam a um consenso sobre pontuações e comentários. Revisão do Painel: Um painel de avaliadores analisa os relatórios de consenso e finaliza as classificações. Critérios de Avaliação Detalhados 1. Excelência O critério Excelência avalia a qualidade científica e tecnológica da proposta. É o critério com maior peso, refletindo o foco do EIC Pathfinder em pesquisas inovadoras. Subcritérios: Visão de longo prazo: Pergunta-chave: Quão convincente é a visão de uma tecnologia radicalmente nova? Expectativa: As propostas devem articular uma visão clara e ambiciosa para uma nova tecnologia que possa transformar a economia e a sociedade. Avanço da ciência em direção à tecnologia: Pergunta-chave: Quão concreto, novo e ambicioso é o avanço proposto? Expectativa: A pesquisa proposta deverá representar um avanço significativo em relação às tecnologias atuais, com potencial para um grande avanço científico. Objectivos: Pergunta-chave: Quão concretos e plausíveis são os objectivos? Expectativa: Os objetivos devem ser claramente definidos, alcançáveis e alinhados com a visão geral. A abordagem da pesquisa deve ser de alto risco/alto ganho. Interdisciplinaridade: Pergunta-chave: Quão relevante é a abordagem interdisciplinar? Expectativa: As propostas devem demonstrar uma abordagem interdisciplinar bem integrada, combinando conhecimentos de diferentes áreas para alcançar avanços. 2. Impacto O critério Impacto avalia o potencial da tecnologia proposta para gerar benefícios económicos, sociais e ambientais significativos. Subcritérios: Impacto a longo prazo: Pergunta-chave: Quão significativos são os potenciais efeitos transformadores? Expectativa: A tecnologia prevista deverá ter potencial para criar novos mercados, melhorar a qualidade de vida ou enfrentar desafios globais. Potencial de Inovação: Pergunta-chave: Até que ponto a tecnologia tem potencial para inovações disruptivas? Expectativa: As propostas devem delinear um caminho claro para a inovação, incluindo medidas para a proteção e exploração da propriedade intelectual. Comunicação e Divulgação: Pergunta-chave: Quão adequadas são as medidas para maximizar os resultados e impactos esperados? Expectativa: As propostas devem incluir um plano robusto para divulgação dos resultados e sensibilização sobre o potencial do projeto. 3. Qualidade e Eficiência da Implementação Este critério avalia a viabilidade do plano do projeto e a capacidade do consórcio de entregar a pesquisa proposta. Subcritérios: Plano de Trabalho: Pergunta-chave: Quão coerentes e eficazes são o plano de trabalho e as medidas de mitigação de riscos? Expectativa: O plano de trabalho deve ser detalhado e bem estruturado, com tarefas, resultados, marcos e cronogramas claramente definidos. Devem existir estratégias de gestão de riscos. Alocação de Recursos: Pergunta-chave: Quão apropriada e eficaz é a alocação de recursos? Expectativa: Os recursos, incluindo orçamento e pessoal, devem ser alocados de forma adequada para garantir o sucesso do projeto. Qualidade do Consórcio: Questão-chave: Até que ponto o consórcio possui a capacidade e os conhecimentos necessários? Expectativa: O consórcio deverá ser composto por parceiros complementares de alta qualidade, com conhecimentos e capacidades comprovadas para realizar a investigação proposta. Pontuação e Limites Cada subcritério é pontuado em uma escala de 0 a 5: 0: A proposta não atende ao critério ou não pode ser avaliada devido à falta de informações ou informações incompletas. 1 (Ruim): O critério é abordado de forma inadequada ou há sérias deficiências inerentes. 2 (Regular): A proposta aborda amplamente o critério, mas existem deficiências significativas. 3 (Bom): A proposta aborda bem o critério, mas apresenta uma série de deficiências. 4 (Muito Bom): A proposta aborda muito bem o critério, mas apresenta um pequeno número de deficiências. 5 (Excelente): A proposta aborda com sucesso todos os aspectos relevantes do critério. Quaisquer deficiências são menores. Limites Excelência: Limite mínimo de 4/5 Impacto: Limite mínimo de 3,5/5 Qualidade e Eficiência da Implementação: Limite mínimo de 3/5 As propostas devem atender ou exceder esses limites para serem consideradas para financiamento. Dicas para Clareza e Visão dos Candidatos: Articule claramente sua visão de longo prazo e como seu projeto representa um avanço significativo em tecnologia. Abordagem Interdisciplinar: Destaque a natureza interdisciplinar do seu consórcio e como ele aprimora o projeto. Caminho de Impacto: Fornece um caminho de impacto detalhado, incluindo planos para proteção, exploração e disseminação da propriedade intelectual. Plano de trabalho detalhado: certifique-se de que seu plano de trabalho seja detalhado, com tarefas, resultados, marcos e estratégias de mitigação de riscos claros. Alocação de Recursos: Justifique a alocação de recursos e demonstre que o seu consórcio possui o conhecimento e a capacidade necessários. Conclusão Os critérios de avaliação do EIC Pathfinder foram concebidos para identificar projetos com o maior potencial de inovação revolucionária e impacto significativo. Ao compreender e alinhar-se com estes critérios, os candidatos podem melhorar as suas propostas e aumentar as suas hipóteses de obter financiamento. O EIC Pathfinder oferece uma oportunidade única de transformar ideias visionárias em realidade, impulsionando o progresso científico e tecnológico em benefício da sociedade.

Compreendendo os requisitos e expectativas do TRL para o EIC Pathfinder

O European Innovation Council (EIC) Pathfinder é uma iniciativa fundamental do programa Horizonte Europa, concebida para apoiar investigação de alto risco e elevados ganhos destinada ao desenvolvimento de tecnologias inovadoras. Um aspecto crítico do EIC Pathfinder é a estrutura do Technology Readiness Level (TRL), que fornece uma métrica sistemática para avaliar a maturidade de uma tecnologia específica. Este artigo aprofunda os requisitos e expectativas do TRL para projetos no âmbito do EIC Pathfinder, fornecendo um guia completo para os candidatos. O que é TRL? Os Níveis de Preparação Tecnológica (TRLs) são uma escala de 1 a 9 usada para medir a maturidade de uma tecnologia. Originalmente desenvolvida pela NASA, esta escala é agora amplamente adotada por organizações, incluindo a Comissão Europeia, para avaliar as fases de desenvolvimento de inovações tecnológicas. Aqui está uma breve visão geral da escala TRL: TRL 1: Princípios básicos observados TRL 2: Conceito de tecnologia formulado TRL 3: Prova experimental de conceito TRL 4: Tecnologia validada em laboratório TRL 5: Tecnologia validada em ambiente relevante TRL 6: Tecnologia demonstrada em ambiente relevante ambiente TRL 7: Demonstração de protótipo de sistema em ambiente operacional TRL 8: Sistema completo e qualificado TRL 9: Sistema real comprovado em ambiente operacional TRL Requisitos para EIC Pathfinder O EIC Pathfinder concentra-se principalmente nos estágios iniciais de desenvolvimento de tecnologia, normalmente variando de TRL 1 a TRL 4 O EIC Pathfinder centra-se no apoio ao desenvolvimento em fase inicial de tecnologias inovadoras, com projetos normalmente começando nos Níveis de Preparação Tecnológica (TRL) 1 a 2, onde os princípios básicos são observados e os conceitos tecnológicos são formulados. O TRL final esperado para projetos Pathfinder está geralmente entre o TRL 3 e o TRL 4. No TRL 3, os projetos obtêm prova experimental de conceito, demonstrando a viabilidade inicial por meio de experimentos de laboratório. No TRL 4, a tecnologia é validada em ambiente de laboratório, demonstrando a capacidade de funcionar conforme o esperado sob condições controladas. Esta progressão visa estabelecer uma base científica e técnica sólida para avanços futuros e potencial comercialização. As expectativas em cada estágio do TRL no âmbito do Pathfinder são as seguintes: TRL 1: Princípios Básicos Observados Neste estágio inicial, os princípios básicos de uma nova tecnologia são observados. A pesquisa é principalmente teórica, concentrando-se nos princípios científicos fundamentais que poderiam sustentar futuras aplicações tecnológicas. Expectativa: Articulação clara dos princípios básicos observados. Publicações em revistas científicas ou apresentações em conferências são resultados comuns. TRL 2: Conceito de Tecnologia Formulado No TRL 2, o foco muda para a definição do conceito de tecnologia. Isto envolve a formulação de hipóteses de aplicações potenciais com base nos princípios observados e a identificação do conhecimento científico e técnico necessário para prosseguir. Expectativa: Formulação de um conceito tecnológico claro e plausível. São esperados modelos teóricos detalhados e estudos iniciais de viabilidade. TRL 3: Prova Experimental de Conceito O TRL 3 envolve a validação experimental do conceito de tecnologia. Experimentos iniciais e estudos de laboratório são conduzidos para demonstrar que o conceito é viável. Expectativa: Dados experimentais mostrando prova de conceito. Demonstração de que os modelos teóricos funcionam em condições controladas. TRL 4: Tecnologia Validada em Laboratório Nesta fase, a tecnologia passa por testes mais rigorosos em ambiente de laboratório. O objetivo é validar a funcionalidade e o desempenho da tecnologia em relação aos resultados esperados. Expectativa: Resultados de validação experimental. Desenvolvimento de protótipos ou modelos que demonstrem a capacidade da tecnologia em ambiente de laboratório. Expectativas dos Projectos EIC Pathfinder Espera-se que os projectos financiados no âmbito do EIC Pathfinder ultrapassem os limites do conhecimento e da tecnologia actuais. Aqui está um detalhamento das expectativas para projetos em cada estágio do TRL: Pesquisa em estágio inicial (TRL 1-2) Inovação: Os projetos devem propor ideias inovadoras e originais que desafiem os paradigmas existentes e tenham o potencial de levar a grandes avanços científicos e tecnológicos. Excelência Científica: Pesquisa rigorosa e de alta qualidade é essencial. Os projetos devem ter como objetivo publicar em revistas científicas de primeira linha e apresentar-se em conferências importantes. Colaboração Interdisciplinar: EIC Pathfinder incentiva a colaboração entre diversas disciplinas científicas para promover novas perspectivas e abordagens. Prova de Conceito (TRL 3) Viabilidade: Os projetos devem ter como objetivo demonstrar a viabilidade do conceito de tecnologia através de prova de conceito experimental. Isso envolve desenvolver e testar protótipos ou modelos iniciais. Documentação: A documentação detalhada dos procedimentos e resultados experimentais é crucial. Isso inclui coleta, análise e interpretação de dados. Propriedade Intelectual: Consideração de estratégias de proteção à propriedade intelectual (PI). Os projetos devem explorar o patenteamento ou outras formas de proteção de propriedade intelectual, quando aplicável. Validação em Laboratório (TRL 4) Testes Rigorosos: Os projetos devem realizar testes rigorosos e validação da tecnologia em um ambiente de laboratório controlado. Isso inclui testes de estresse, avaliação de desempenho e avaliação de confiabilidade. Desenvolvimento de Protótipos: Desenvolvimento de protótipos mais refinados que podem ser usados para testes e validação adicionais. Caminho para a Comercialização: Os projectos devem começar a explorar caminhos potenciais para a comercialização, incluindo análise de mercado, parcerias potenciais e oportunidades de financiamento para um maior desenvolvimento. Suporte e Recursos O EIC Pathfinder fornece suporte e recursos substanciais para ajudar os projetos a atingirem seus marcos do TRL. Isto inclui: Financiamento: Subsídios de até 3 milhões de euros para EIC Pathfinder Open e até 4 milhões de euros para EIC Pathfinder Challenges. Valores maiores podem ser solicitados se justificado. Serviços de aceleração de negócios: acesso a uma ampla gama de serviços, incluindo coaching, mentoria e oportunidades de networking para ajudar os projetos a progredir da pesquisa à comercialização. Gestores de Programa EIC: Gestores de programa dedicados fornecem orientação e apoio durante todo o ciclo de vida do projeto, ajudando a orientar os projetos para resultados bem-sucedidos. Conclusão O EIC Pathfinder é uma iniciativa vital que visa promover a investigação e a inovação inovadoras em toda a Europa. Ao concentrar-se nas fases iniciais do desenvolvimento tecnológico e ao fornecer apoio e recursos substanciais, o EIC Pathfinder ajuda a transformar ideias visionárias em tecnologias tangíveis. Compreender os requisitos e expectativas do TRL é crucial para que os candidatos possam alinhar seus projetos com os objetivos do EIC Pathfinder, contribuindo, em última análise, para o avanço da ciência e da tecnologia em benefício da sociedade.

Um guia abrangente para o programa de financiamento de subsídios EIC Pathfinder

O European Innovation Council (EIC) Pathfinder é uma iniciativa fundamental do programa Horizonte Europa, que visa promover a investigação avançada para desenvolver a base científica para tecnologias inovadoras. O EIC Pathfinder apoia projetos ambiciosos que ultrapassam os limites da ciência e da tecnologia, estabelecendo as bases para inovações que podem transformar os mercados e enfrentar os desafios globais. Este artigo fornece uma visão geral detalhada do EIC Pathfinder, seus objetivos, oportunidades de financiamento, processo de inscrição e critérios de avaliação. Visão geral do EIC Pathfinder Objetivos do EIC Pathfinder O EIC Pathfinder foi projetado para apoiar os estágios iniciais de pesquisa e desenvolvimento científico, tecnológico ou de tecnologia profunda. Os seus objectivos principais são: Desenvolver Fundações Científicas: Apoiar tecnologias inovadoras que possam perturbar os mercados existentes ou criar novos. Pesquisa de alto risco/alto ganho: incentivo a projetos que envolvam riscos significativos, mas que tenham potencial para recompensas substanciais. Colaboração Interdisciplinar: Promover a colaboração entre diversas disciplinas científicas e tecnológicas para alcançar avanços inovadores. Principais Componentes do EIC Pathfinder O EIC Pathfinder é dividido em dois componentes principais: EIC Pathfinder Open O EIC Pathfinder Open oferece suporte a projetos em qualquer campo da ciência, tecnologia ou aplicação sem prioridades temáticas predefinidas. Tem como alvo o desenvolvimento inicial de tecnologias futuras, enfatizando pesquisas inovadoras de alto risco/alto ganho de ciência para tecnologia. As principais características incluem: Visão Ambiciosa: Os projetos devem ter uma visão de longo prazo para uma tecnologia radicalmente nova com potencial transformador. Avanço Científico: As propostas devem delinear um avanço concreto, novo e ambicioso da ciência para a tecnologia. Abordagem de alto risco/alto ganho: A abordagem de pesquisa deve ser inovadora e potencialmente arriscada, visando avanços significativos. Desafios EIC Pathfinder Os Desafios EIC Pathfinder concentram-se em áreas temáticas predefinidas com objetivos específicos. Estes desafios visam criar portfólios coerentes de projetos que alcancem coletivamente os resultados desejados. Cada desafio é supervisionado por um Gerente de Programa dedicado que orienta os projetos em direção a objetivos comuns. As principais características incluem: Objetivos Específicos: Cada desafio tem metas definidas e resultados esperados. Abordagem de portfólio: Espera-se que os projetos dentro de um desafio interajam e colaborem, aproveitando os pontos fortes uns dos outros. Gerentes de Programa Dedicados: Os Gerentes de Programa desempenham um papel proativo na orientação dos projetos para resultados bem-sucedidos. Financiamento e Apoio O EIC Pathfinder oferece financiamento e apoio substanciais a projetos selecionados. O financiamento é fornecido através de subvenções para Ações de Investigação e Inovação. Os principais detalhes são: Orçamento: O orçamento total indicativo para EIC Pathfinder Open é de 136 milhões de euros, enquanto o orçamento para EIC Pathfinder Challenges é de 120 milhões de euros. Montante da subvenção: Para o EIC Pathfinder Open, são típicas subvenções até 3 milhões de euros, embora montantes maiores possam ser solicitados se justificado. Para os Desafios EIC Pathfinder, as subvenções podem atingir 4 milhões de euros. Taxa de financiamento: A taxa de financiamento é de 100% dos custos elegíveis. Além do apoio financeiro, os candidatos aprovados recebem acesso a uma ampla gama de serviços de aceleração de negócios, incluindo coaching, mentoria e oportunidades de networking. Processo de candidatura O processo de candidatura para o EIC Pathfinder envolve várias etapas: Envio de propostas: As propostas devem ser apresentadas através do Portal de Oportunidades de Financiamento e Concurso da UE. Verificação de admissibilidade e elegibilidade: As propostas são verificadas quanto ao cumprimento dos critérios de elegibilidade. Avaliação: As propostas são avaliadas por avaliadores especialistas com base em critérios pré-definidos. Decisão de Financiamento: A decisão final de financiamento é tomada com base nos resultados da avaliação. Critérios de elegibilidade Requisitos do consórcio: Para projetos colaborativos, o consórcio deve incluir pelo menos três entidades jurídicas independentes de diferentes Estados-Membros ou Países Associados. Projetos de Beneficiário Único: Em certos casos, podem candidatar-se entidades únicas, como PME ou organizações de investigação. Critérios de Avaliação As propostas são avaliadas com base em três critérios principais: Excelência: Incluindo a novidade e ambição da visão, a solidez da abordagem e a natureza interdisciplinar do projeto. Impacto: Avaliar os potenciais efeitos transformadores, o potencial de inovação e as medidas de divulgação e exploração dos resultados. Implementação: Avaliar a qualidade e eficiência do plano de trabalho, a alocação de recursos e a capacidade do consórcio. Desafios do EIC Pathfinder para 2024 O Programa de Trabalho para 2024 inclui vários desafios específicos no âmbito do EIC Pathfinder. Estes desafios visam áreas estratégicas de interesse para a União Europeia, tais como: Dispositivos Solar-to-X: Desenvolvimento de combustíveis, produtos químicos e materiais renováveis como vias de mitigação das alterações climáticas. Cimento e concreto como sumidouros de carbono: materiais inovadores para absorver dióxido de carbono. Alternativas inspiradas na natureza para embalagens de alimentos: Criando soluções de embalagens sustentáveis. Nanoeletrônica para dispositivos inteligentes com eficiência energética: avanços em tecnologias de eficiência energética. Proteger a infraestrutura espacial da UE: reforçar a resiliência e a sustentabilidade das operações espaciais. Conclusão O EIC Pathfinder é uma iniciativa fundamental no âmbito do programa Horizonte Europa, impulsionando a investigação avançada para desenvolver tecnologias inovadoras. Ao apoiar projetos de alto risco/elevados ganhos com financiamento substancial e serviços de apoio abrangentes, o EIC Pathfinder visa promover inovações que possam transformar os mercados, enfrentar desafios globais e posicionar a Europa como líder em tecnologias de ponta. Investigadores, startups, PME e inovadores são incentivados a aproveitar esta oportunidade para ultrapassar os limites da ciência e da tecnologia e causar um impacto significativo no futuro. Desafios EIC Pathfinder Desbloquear o futuro da energia renovável: O desafio EIC Pathfinder em “dispositivos solares para X” Numa era em que as alterações climáticas representam uma ameaça significativa aos ecossistemas e economias globais, o European Innovation Council (EIC) assumiu uma postura proativa com o seu Pathfinder Desafio em “Dispositivos Solar-to-X”. Esta iniciativa, no âmbito do Programa de Trabalho do CEI para 2024, procura catalisar o desenvolvimento de tecnologias inovadoras que convertem a energia solar em várias formas úteis, como combustíveis, produtos químicos e materiais renováveis. Ao enfrentar este desafio, o EIC visa mitigar os impactos das alterações climáticas e promover processos industriais sustentáveis, contribuindo assim para os objetivos de transição verde da União Europeia. A Visão e os Objectivos O Desafio “Solar-to-X Devices” é impulsionado por uma abordagem visionária para aproveitar a energia solar para além da produção de electricidade. Ele prevê a transformação da energia solar em formas versáteis e armazenáveis de energia e materiais, que podem ser utilizadas em diversas aplicações. Os principais objectivos deste desafio incluem: Produção Renovável Descentralizada: Desenvolver tecnologias que permitam a produção local e descentralizada de combustíveis, produtos químicos e materiais renováveis. Mitigação das Alterações Climáticas: Reduzir as emissões de gases com efeito de estufa através da substituição de processos baseados em combustíveis fósseis por alternativas sustentáveis movidas a energia solar. Inovação Tecnológica: Ampliando os limites das tecnologias solares atuais para alcançar maior eficiência, economia e escalabilidade. Escopo … Consulte Mais informação

Resumo das Diretrizes de Investimento do Fundo EIC EIC Accelerator e Grupos de Investimento

Versão: dezembro de 2023 Nota: Este artigo contém um resumo das orientações oficiais de investimento do Fundo EIC e contém simplificações que podem alterar o significado pretendido em alguns casos. Recomendamos baixar e ler o documento oficial. Introdução As Orientações de Investimento do CEI fornecem informações essenciais aos potenciais beneficiários e coinvestidores sobre a estratégia e as condições para as decisões de investimento e desinvestimento do Fundo CEI. Esta versão atualizada inclui definições de investidores qualificados, descrições de cenários de investimento e novas cláusulas sobre investimentos subsequentes e saídas, garantindo apoio a startups e PMEs de elevado potencial para acelerar o crescimento e atrair investidores adicionais. Este documento aplica-se especificamente ao compartimento Horizonte Europa do Fundo CEI. Índice Regras de Investimento 1.1 Restrições de Investimento 1.2 Objetivo de Investimento 1.3 Estratégia de Investimento 1.4 Processo de Investimento do Compartimento Diretrizes de Investimento 2.1 Estágio de Desenvolvimento da Empresa Alvo 2.2 Tipo de Inovações 2.3 Proteção dos Interesses Europeus 2.4 Âmbito Geográfico 2.5 Exclusões 2.6 Tamanho do Investimento e Metas de Participação Acionária 2.7 Investimento/Co -Cenários de investimento 2.8 Processo de due diligence 2.9 Possíveis instrumentos financeiros 2.10 Implementação de investimentos 2.11 Publicação de informações 2.12 Monitoramento e acompanhamento de investimentos 2.13 Investimentos subsequentes 2.14 Mentores 2.15 Grupos de investimentos em gestão de propriedade intelectual Anexo 1. Definições Anexo 2. Exclusões 1. Regras de investimento 1.1 Restrições de Investimento O Subfundo está sujeito às Restrições de Investimento estabelecidas na Secção Geral do Memorando do Fundo EIC. Estas restrições garantem que o Compartimento funciona dentro dos limites estabelecidos pelo Fundo EIC, mantendo a consistência e o alinhamento com os objetivos globais. 1.2 Objetivo de Investimento O objetivo do Subfundo é investir nos beneficiários finais do Fundo EIC, desenvolvendo ou implantando tecnologias inovadoras e inovações disruptivas e criadoras de mercado. O Compartimento visa colmatar uma lacuna crítica de financiamento no mercado europeu de transferência de tecnologia. Apesar de subvenções significativas para projetos de investigação e inovação na Europa, muito poucos conseguem atrair mais investimento e atingir fases de comercialização e expansão. 1.3 Estratégia de Investimento Para atingir o seu Objectivo de Investimento, o Compartimento pode investir directamente em títulos de capital ou títulos relacionados com capital, incluindo acções preferenciais, dívida convertível, opções, warrants ou títulos semelhantes. O Compartimento fornece a componente de investimento do EIC blended finance, sujeito ao montante máximo de investimento definido pela Comissão da UE. As empresas candidatas candidatam-se ao EIC Accelerator através de convites públicos à apresentação de propostas publicados pela Comissão Europeia. A EISMEA avalia estas propostas e a Comissão da UE seleciona aquelas a serem apoiadas com um montante indicativo EIC blended finance. Este apoio pode consistir numa combinação de subvenção e investimento, apoio apenas para subvenção ou apenas para investimento. Nos casos em que os interesses europeus em áreas estratégicas necessitem de proteção, o Fundo EIC tomará medidas como a aquisição de uma minoria de bloqueio para impedir a entrada de novos investidores de países não elegíveis. Esta abordagem garante que os investimentos se alinham com as prioridades estratégicas e protegem os interesses europeus. 1.4 Processo de Investimento do Compartimento O processo de investimento envolve várias etapas: Avaliação Inicial: As propostas seleccionadas pela Comissão Europeia são canalizadas para o GFIA Externo para avaliação inicial. Categorização: Os casos são categorizados em vários cenários de investimento (Buckets) com base na avaliação. Due Diligence: A due diligence financeira e as verificações de conformidade KYC são realizadas nas empresas-alvo. Discussão dos Termos de Financiamento: Os possíveis termos de financiamento são discutidos com o beneficiário e os co-investidores. Tomada de decisão: O GFIA externo decide sobre as operações de financiamento, aprovando ou rejeitando a operação. Documentação Legal: Após a aprovação, os documentos legais são preparados e assinados. Monitorização: O GFIA Externo monitoriza os investimentos, incluindo desembolsos intermédios, relatórios e estratégias de saída. 2. Diretrizes de Investimento 2.1 Fase de Desenvolvimento da Empresa Alvo Os candidatos elegíveis ao abrigo do EIC Accelerator incluem PME altamente inovadoras, com fins lucrativos, start-ups, empresas em fase inicial e pequenas empresas de média capitalização de qualquer setor, normalmente com uma forte componente de propriedade intelectual. O EIC Accelerator visa apoiar projetos de alto risco que ainda não são atrativos para os investidores, reduzindo o risco destes projetos para catalisar o investimento privado. 2.2 Tipos de Inovações O Compartimento apoia vários tipos de inovação, especialmente aquelas baseadas em tecnologia profunda ou pensamento radical, e inovação social. Deep-tech refere-se à tecnologia baseada em avanços e descobertas científicas de ponta, exigindo interação constante com novas ideias e resultados de laboratório. 2.3 Protecção dos Interesses Europeus Em áreas estratégicas identificadas pela Comissão da UE, o Compartimento tomará medidas relacionadas com o investimento para proteger os interesses europeus. Isto pode incluir a aquisição de uma minoria de bloqueio, o investimento apesar do potencial interesse dos investidores ou a garantia da propriedade europeia da propriedade intelectual e da empresa. 2.4 Âmbito geográfico As empresas elegíveis devem estar estabelecidas e operar em Estados-Membros da UE ou países associados à componente de capital próprio do Pilar III do Horizonte Europa. O GFIA Externo poderá investir na holding ou empresa-mãe estabelecida nesses territórios, desde que cumpra todos os critérios de elegibilidade. 2.5 Exclusões Os investimentos excluem setores incompatíveis com a base ética e social do Horizonte Europa. Estas incluem atividades relacionadas com práticas laborais prejudiciais, produtos ilegais, pornografia, comércio de vida selvagem, materiais perigosos, métodos de pesca insustentáveis e outras, conforme detalhado no Anexo 2. 2.6 Dimensão do Investimento e Metas de Participação no Capital O investimento do Compartimento varia entre 500.000 EUR e 15.000.000 EUR por empresa, visando participações minoritárias normalmente entre 10% e 20%. No entanto, pode adquirir uma participação de bloqueio para proteger os interesses europeus. Os investimentos podem ser inferiores ou superiores aos inicialmente propostos com base nas conclusões da devida diligência e na decisão de adjudicação da Comissão Europeia. 2.7 Cenários de Investimento/Co-Investimento Desde o início, o GFIA Externo ligará potenciais empresas beneficiárias à comunidade de investidores EIC Accelerator para aproveitar oportunidades de co-investimento. Os beneficiários selecionados pelo CEI são incentivados a procurar coinvestidores, sendo a devida diligência financeira e comercial potencialmente realizada em conjunto com esses investidores. O EIC Accelerator visa reduzir o risco de operações selecionadas, atraindo financiamento adicional significativo para apoiar a implantação e expansão da inovação. 2.8 Processo de Due Diligence O processo de due diligence concentra-se na governança, estrutura de capital, estratégia de negócios, concorrência, avaliação de mercado, criação de valor, forma jurídica e jurisdições. As verificações de conformidade incluem combate à lavagem de dinheiro, financiamento ao terrorismo, evasão fiscal e conformidade com KYC. As questões de incumprimento podem levar à interrupção ou cessação do apoio do EIC. 2.9 Possíveis instrumentos financeiros O Subfundo utiliza principalmente investimentos de capital ou quase-capital, incluindo: Acções ordinárias: Participação de propriedade numa sociedade, podendo ser com ou sem direito a voto. Ações Preferenciais: Ações híbridas com características de dívida, geralmente detidas por fundos de capital de risco. Instrumentos convertíveis: instrumentos de dívida… Consulte Mais informação

O guia resumido de proposta EIC Accelerator definitivo (modelo de proposta EIC Accelerator etapa 1)

Desbloqueando a Inovação: O Modelo de Proposta EIC Accelerator Etapa 1 – Um Guia para Startups e PMEs No mundo dinâmico do financiamento de startups, o Acelerador European Innovation Council (EIC) apresenta um caminho atraente para startups e pequenas e médias empresas (PMEs) garantirem financiamento substancial . O modelo de proposta da Etapa 1 é uma ferramenta crítica concebida para facilitar o acesso a até 17,5 milhões de euros em blended financing, que inclui componentes de subvenção e de capital. Este artigo fornece uma visão geral detalhada do conteúdo e da utilidade do modelo de proposta EIC Accelerator Step 1, que é adaptado para capacitar startups e PMEs em toda a União Europeia (UE). A essência do modelo de proposta da etapa 1 do EIC Accelerator Modelo de proposta oficial: O modelo de proposta da etapa 1 serve como modelo oficial para os candidatos, meticulosamente projetado para agilizar o processo de inscrição para financiamento do EIC. Abrange seções essenciais que exigem que os candidatos articulem de forma sucinta sua inovação, modelo de negócios e o impacto potencial de sua tecnologia. Esta abordagem estruturada garante que todos os aspectos críticos da proposta sejam cobertos de forma sistemática. Foco no nível de prontidão tecnológica (TRL): Uma parte essencial do modelo é a ênfase nos níveis de prontidão tecnológica. Os candidatos devem demonstrar a maturidade da sua inovação, o que é crucial para o alinhamento com as expectativas do EIC em termos de preparação para o mercado e potencial de implantação. Apresentação do argumento de venda e preparação para entrevistas: O modelo de proposta foi estrategicamente projetado para ajudar os candidatos a se prepararem para as etapas subsequentes do processo de financiamento. Ele incentiva uma apresentação de ideias concisa, mas abrangente, que constitui a espinha dorsal da apresentação do argumento de venda e prepara o terreno para o processo de entrevista. Como o modelo capacita os candidatos Processo simplificado para os candidatos: Ao fornecer uma estrutura clara, o modelo desmistifica o processo de candidatura, tornando-o acessível até mesmo aos recém-chegados ao panorama de financiamento da UE. Orienta os candidatos através de uma série de etapas bem definidas, ajudando-os a apresentar a sua narrativa de inovação de forma eficaz. Projetado para Alto Impacto: O modelo concentra-se em inovações de alto impacto, levando os candidatos a pensar criticamente sobre as necessidades do mercado e a proposta de valor exclusiva de sua tecnologia. Esta ênfase está alinhada com o objetivo do EIC de apoiar projetos com potencial de expansão e de alcançar uma penetração significativa no mercado. Apoio a uma ampla gama de inovadores: De escritores profissionais e freelancers a consultores, o modelo serve como um recurso que pode ser utilizado por diversas partes interessadas envolvidas no processo de redação de subsídios. Ele fornece uma estrutura padronizada que garante consistência e qualidade entre aplicativos. Oportunidades de financiamento misto de impacto financeiro e estratégico: O modelo abre efectivamente a porta a oportunidades blended financing, compreendendo uma subvenção de 2,5 milhões de euros e até 15 milhões de euros em financiamento de capital. Este apoio financeiro substancial foi concebido para acelerar o desenvolvimento e a expansão de inovações revolucionárias. Informações sobre financiamento de capital: Para empreendimentos que são potencialmente não financiáveis e onde os mecanismos de financiamento tradicionais são insuficientes, a opção de capital apresentada no modelo é uma mudança de jogo. Oferece um caminho direto para financiamento significativo, crucial para estratégias agressivas de crescimento e expansão. Endosso da Comissão Europeia e do EIC: A utilização do modelo oficial alinha os projetos com as prioridades estratégicas da Comissão Europeia e do EIC. Garante que as propostas sejam avaliadas com base em critérios que refletem os objetivos mais amplos do financiamento da inovação da UE, aumentando a credibilidade e o apelo dos projetos. Conclusão O modelo de proposta da Etapa 1 do EIC Accelerator não é apenas um documento; é uma ferramenta estratégica que pode aumentar significativamente as possibilidades de obtenção de financiamento, alinhando as startups e as PME com os elementos críticos pretendidos pelo CEI. Incentiva a clareza, a concisão e o foco, essenciais para passar no rigoroso processo de avaliação. Ao aproveitar este modelo, as startups e as PME podem articular eficazmente as suas histórias de inovação, demonstrando o seu potencial para transformar indústrias e escalar novos patamares no mercado europeu. EIC Accelerator Etapa 1 Proposta Curta Modelo de Proposta 1. Descrição da Empresa História de Fundação O início da empresa remonta à sua data de fundação, destacando suas origens como um spin-off de um notável instituto de pesquisa. Esta narrativa detalha a colaboração entre os cofundadores e os investimentos iniciais garantidos, ilustrando uma trajetória desde uma ideia promissora até uma entidade estabelecida. Esta história fundamental não só melhora o perfil da empresa, mas também solidifica a sua posição como um interveniente credível e inovador na indústria tecnológica, com o objetivo de atrair a atenção das partes interessadas, incluindo o European Innovation Council (EIC). Missão e Visão A missão e a visão da empresa resumem os seus objectivos centrais e o impacto aspiracional que pretende alcançar à escala global. A missão é elaborada em torno da resolução de desafios críticos da indústria, aproveitando a inovação para melhorar a eficiência ou colmatar lacunas significativas do mercado. Esta abordagem visionária posiciona a empresa como uma líder com visão de futuro, comprometida em fazer avanços substanciais em seu campo. A ênfase na transformação de ideias teóricas em soluções práticas e prontas para o mercado alinha-se bem com os objectivos do European Innovation Council, ilustrando um compromisso não só de liderar a inovação, mas também de contribuir positivamente para o crescimento social e económico. Conquistas da Empresa As conquistas da empresa são uma prova de seu crescimento e inovação, marcadas por marcos significativos, como prêmios, sucessos financeiros e avanços tecnológicos. Essas conquistas são cruciais para estabelecer a credibilidade da empresa e destacar sua capacidade de atender e superar os padrões do setor. O reconhecimento de órgãos respeitáveis por meio de prêmios e a conquista bem-sucedida de níveis críticos de prontidão tecnológica ressaltam o potencial e a prontidão da empresa para um maior crescimento. Tal histórico é essencial para construir a confiança do European Innovation Council e de potenciais investidores, posicionando a empresa como um candidato robusto para oportunidades futuras no cenário tecnológico competitivo da União Europeia. Relacionamento com Clientes A empresa cultivou relacionamentos robustos com uma gama diversificada de clientes, melhorando sua posição no mercado e solidificando sua reputação no setor. Estas relações não são apenas transacionais, mas são enriquecidas através de colaborações, proporcionando benefícios mútuos e fortalecendo a posição da empresa no mercado. Destacar os principais clientes e detalhar a natureza dessas interações mostra a capacidade da empresa de manter parcerias valiosas. Além disso, obter Cartas de Intenções (LOI) destas principais partes interessadas não só demonstra a sua… Consulte Mais informação

O cadinho da inovação EIC Accelerator: universidades e o nascimento dos empreendedores DeepTech

As universidades são há muito tempo o berço de algumas das tecnologias mais inovadoras e transformadoras que o nosso mundo já viu. Enraizadas numa investigação académica rigorosa e fomentadas por um ambiente de curiosidade intelectual, estas instituições não são apenas centros de aprendizagem, mas incubadoras essenciais para empreendedores inovadores. Especialmente no domínio das tecnologias científicas, as universidades e os institutos de investigação estão na vanguarda daquilo que hoje chamamos comummente de DeepTech – tecnologias que oferecem avanços profundos em vários sectores, incluindo cuidados de saúde, energia e computação, para citar alguns. O Nexo Universidade-Empreendedorismo A jornada da pesquisa acadêmica ao empreendimento empreendedor é um caminho trilhado por muitos inovadores. As universidades, com a sua riqueza de recursos, incluindo laboratórios de última geração, acesso a financiamento e uma rede de pensadores com ideias semelhantes, oferecem um ecossistema incomparável para fomentar projetos DeepTech em fase inicial. É nessas salas acadêmicas que ocorre a pesquisa fundamental – muitas vezes muito antes de uma aplicação no mercado ser sequer considerada. Um dos elementos-chave deste ambiente é o incentivo à colaboração interdisciplinar. Não é incomum que um avanço na ciência dos materiais em uma universidade abra caminho para novos produtos revolucionários no setor de eletrônicos de consumo ou que a pesquisa biomédica leve ao desenvolvimento de dispositivos médicos inovadores. Estas tecnologias, nascidas de projetos académicos, têm potencial para enfrentar desafios globais críticos e abrir caminho para novas indústrias. Preenchendo a lacuna: da academia à indústria No entanto, o caminho de um projeto universitário até uma empresa DeepTech de sucesso está repleto de desafios. O processo de comercialização da investigação científica requer mais do que apenas conhecimentos técnicos; exige um profundo conhecimento do mercado, planejamento estratégico de negócios e capacidade de garantir investimentos. É aqui que reside o papel dos programas de empreendedorismo e dos gabinetes de transferência de tecnologia nas universidades, que visam colmatar esta lacuna. Eles fornecem aos empreendedores iniciantes a orientação, o financiamento e a visão de negócios necessários para levar suas inovações ao mercado. Além disso, o papel do financiamento público e privado não pode ser exagerado. Iniciativas como o programa Acelerador European Innovation Council (EIC) oferecem apoio crítico através de subvenções e financiamento de capital para startups que estão navegando nas águas traiçoeiras da comercialização do DeepTech. Estes programas não só proporcionam apoio financeiro, mas também conferem credibilidade às startups, atraindo mais investimentos e parcerias. Impacto no mundo real e o futuro O impacto das inovações DeepTech produzidas em universidades no cenário global é inegável. Desde a criação de tecnologias médicas que salvam vidas até ao desenvolvimento de soluções energéticas sustentáveis, estes avanços estão a moldar o futuro. À medida que olhamos para o futuro, o papel das universidades como incubadoras de inovação só aumentará em importância. Com as estruturas de apoio adequadas implementadas, o potencial para que estes esforços académicos se transformem em empresas bem-sucedidas e que mudem o mundo é ilimitado. Concluindo, as universidades não são apenas centros de aprendizagem, mas também berços essenciais de inovação, alimentando os empreendedores que estão preparados para redefinir o nosso mundo com as inovações DeepTech. À medida que estas instituições académicas continuam a evoluir, o seu potencial para contribuir para os avanços económicos e sociais globais é ilimitado. Com apoio e investimento contínuos, a ponte entre a academia e a indústria será fortalecida, inaugurando uma nova era de tecnologias transformadoras. Da bancada do laboratório ao mercado: a odisséia de financiamento de startups baseadas em universidades A transição da pesquisa acadêmica para uma startup de sucesso é uma jornada assustadora, especialmente para fundadores provenientes de áreas como química, farmacêutica, biologia e física. Estes empreendedores científicos enfrentam um conjunto único de desafios, sendo o principal deles a árdua tarefa de garantir financiamento. Ao contrário dos seus homólogos em setores mais comerciais, os cientistas que se tornaram fundadores de startups encontram-se frequentemente em território desconhecido quando se trata de angariação de fundos. O desafio da angariação de fundos para os empreendedores científicos O cerne do problema reside na lacuna de conhecimentos especializados. Os cientistas são treinados para explorar, descobrir e inovar, concentrando-se no avanço do conhecimento e não nas complexidades dos modelos de negócios, adequação ao mercado ou argumentos de venda aos investidores. Esta lacuna deixa-os muitas vezes em desvantagem num cenário de financiamento competitivo dominado por investidores que procuram retornos rápidos e empresas com aplicações de mercado claras. Além disso, a natureza do DeepTech e das startups científicas significa que normalmente requerem um investimento inicial significativo para investigação e desenvolvimento, com caminhos mais longos para o mercado e rentabilidade. Isto complica ainda mais o seu apelo aos capitalistas de risco tradicionais, que podem evitar os riscos inerentes e os prazos alargados. Subvenções: uma tábua de salvação para começar À luz destes desafios, as subvenções desempenham um papel crucial nas fases iniciais do ciclo de vida de uma startup científica. Mecanismos de financiamento como o programa Acelerador European Innovation Council (EIC) tornam-se tábuas de salvação, oferecendo não apenas apoio financeiro, mas também validação do impacto potencial do empreendimento científico. As subvenções de organismos governamentais e internacionais fornecem o capital essencial necessário para a transição da prova de conceito para um produto viável, sem diluir o capital dos fundadores ou forçá-los a estratégias de comercialização prematuras. Construindo uma ponte: o papel das incubadoras universitárias e dos programas de empreendedorismo Reconhecendo os desafios únicos enfrentados pelos seus empreendedores científicos, muitas universidades criaram incubadoras e programas de empreendedorismo concebidos para colmatar a lacuna de conhecimento. Esses programas oferecem orientação, treinamento empresarial e acesso a redes de investidores especificamente interessados em DeepTech e inovações científicas. O seu objetivo é equipar os cientistas com as competências necessárias para navegar no panorama do financiamento, desde a elaboração de apresentações convincentes até à compreensão das métricas financeiras cruciais para os investidores. O Caminho a Seguir Apesar dos obstáculos, os potenciais benefícios sociais e económicos das startups científicas são imensos. Dada a sua capacidade de enfrentar desafios globais prementes através da inovação, o apoio a estes empreendimentos é de extrema importância. O reforço do ecossistema que apoia os empreendedores científicos, desde programas de subvenções melhorados até redes de investidores mais especializadas, é fundamental para o seu sucesso. Em conclusão, embora o percurso do laboratório universitário até ao mercado seja repleto de desafios, especialmente na obtenção de financiamento, há um reconhecimento crescente da necessidade de apoiar estes pioneiros da inovação. Ao colmatar a lacuna de conhecimentos especializados e ao aproveitar as subvenções como trampolim, o caminho a seguir para as startups científicas está a tornar-se mais claro, prometendo um futuro onde o seu potencial transformador pode ser plenamente realizado. Navegando pela propriedade intelectual: um guia para fundadores de spinoffs universitários O… Consulte Mais informação

Decodificando DeepTech: Navegando na Nova Era da Inovação EIC Accelerator

Numa era marcada pelo rápido avanço tecnológico e inovação, o termo “DeepTech” emergiu como uma palavra da moda, sinónimo de startups e da indústria tecnológica em geral. Mas o que significa exatamente “DeepTech” e por que é fundamental para startups e setores de tecnologia? DeepTech, ou tecnologia profunda, refere-se a tecnologias de ponta que oferecem avanços significativos em relação às soluções existentes. Estas tecnologias caracterizam-se pelo seu profundo potencial para perturbar indústrias, criar novos mercados e resolver desafios complexos. Ao contrário da tecnologia convencional que se concentra em melhorias incrementais, o DeepTech se aprofunda nas descobertas científicas ou nas inovações de engenharia para provocar mudanças radicais. A Essência do DeepTech Em sua essência, o DeepTech incorpora tecnologias enraizadas em avanços científicos substanciais e inovação em engenharia de alta tecnologia. Estas tecnologias estão frequentemente associadas a setores como inteligência artificial (IA), robótica, blockchain, materiais avançados, biotecnologia e computação quântica. O factor unificador entre estes é a sua confiança fundamental em esforços profundos e substantivos de investigação e desenvolvimento (I&D), muitas vezes resultando em avanços que podem levar anos a amadurecer e a ser comercializados. DeepTech em startups e na indústria de tecnologia Para startups, aventurar-se no DeepTech representa uma oportunidade colossal e um desafio formidável. O ciclo de desenvolvimento das inovações DeepTech é normalmente mais longo e requer investimentos de capital mais substanciais em comparação com software ou startups digitais. No entanto, a recompensa pode ser transformadora, oferecendo soluções para questões globais prementes, desde as alterações climáticas às crises de saúde. O interesse da indústria tecnológica no DeepTech é impulsionado pela promessa de criação de valor duradouro e de estabelecimento de novas fronteiras em tecnologia. Ao contrário da tecnologia de consumo, que pode estar sujeita a rápidas mudanças nas preferências dos consumidores, o DeepTech oferece mudanças fundamentais que podem redefinir as indústrias durante décadas. O Caminho a Seguir Navegar no cenário DeepTech exige uma combinação de investigação científica visionária, mecanismos de financiamento robustos e parcerias estratégicas da indústria. Para as startups, isto significa garantir o investimento de partes interessadas que compreendem a natureza de longo prazo dos projetos DeepTech. Requer também um compromisso com a I&D e uma vontade de ser pioneiro em territórios desconhecidos. A importância do DeepTech vai além do mero avanço tecnológico; trata-se de construir o futuro. Ao aproveitar o poder das tecnologias profundas, as startups têm o potencial de inaugurar uma nova era de inovação, resolvendo alguns dos desafios mais complexos do mundo com soluções que antes eram consideradas impossíveis. Concluindo, o DeepTech está na interseção entre pesquisa científica inovadora e inovação tecnológica. Para as startups e a indústria tecnológica, representa a próxima fronteira de descoberta e disrupção. Adotar o DeepTech não é apenas um investimento em tecnologia; é um compromisso com um futuro onde os limites do que é possível são continuamente expandidos. A Dinâmica de Capital Única do DeepTech: Navegando nas Águas da Inovação No mundo florescente das startups, o DeepTech se destaca não apenas por sua ambição de ampliar os limites da inovação, mas também por seu cenário financeiro e de desenvolvimento distinto. As startups DeepTech, por sua natureza, mergulham em áreas que exigem muito capital e consomem muito tempo, muitas vezes concentrando-se em desenvolvimentos de hardware ou pesquisas científicas inovadoras que exigem um tipo diferente de investimento: capital paciente. A natureza intensiva de capital do DeepTech Os empreendimentos DeepTech geralmente exigem investimentos iniciais substanciais, significativamente maiores do que os de seus equivalentes em software. Isto se deve principalmente aos aspectos de uso intensivo de hardware de muitos projetos DeepTech, como em biotecnologia, robótica e energia limpa. O desenvolvimento de produtos físicos ou a implementação de novas descobertas científicas exige não apenas equipamentos e materiais especializados, mas também acesso a instalações de investigação avançadas. O Fator Tempo Além das considerações financeiras, o tempo desempenha um papel crucial no desenvolvimento das inovações DeepTech. Ao contrário das startups de software, onde os produtos podem ser desenvolvidos, testados e iterados em ciclos relativamente curtos, os projetos DeepTech geralmente duram anos ou até décadas. Este prazo alargado deve-se à natureza complexa da tecnologia que está a ser desenvolvida, à necessidade de extensos processos de testes e certificação e ao desafio de trazer inovações revolucionárias para o mercado. Capital paciente: um ingrediente vital para o sucesso Dados esses desafios únicos, as startups DeepTech exigem investidores que estejam preparados para uma jornada mais longa até o retorno do investimento (ROI). Este “capital paciente” está disposto a apoiar startups durante os longos períodos de P&D e introdução no mercado inerentes aos empreendimentos DeepTech. Esses investidores normalmente têm um conhecimento profundo das indústrias específicas e do impacto potencial das inovações, o que lhes permite ver além dos ganhos de curto prazo, rumo ao potencial transformador destas tecnologias. Por que o capital paciente é importante A importância do capital paciente vai além do mero fornecimento de recursos financeiros. Inclui orientação, conexões com a indústria e orientação estratégica, todos cruciais para navegar no complexo cenário do DeepTech. Além disso, o capital paciente ajuda a promover uma cultura de inovação onde os empresários podem concentrar-se em inovações que podem não ter viabilidade comercial imediata, mas têm o potencial de criar impactos sociais e económicos substanciais a longo prazo. Concluindo, a jornada das startups DeepTech é singularmente desafiadora, exigindo mais do que apenas investimento financeiro. Exige um compromisso com uma visão que transcende os prazos de investimento tradicionais, oferecendo a promessa de avanços revolucionários. Para aqueles que desejam embarcar nesta jornada, as recompensas não estão apenas nos potenciais retornos financeiros, mas na contribuição para os avanços que poderão moldar o futuro da nossa sociedade. A crescente atração dos investimentos DeepTech: tecnologias exclusivas e retornos mais elevados O cenário de investimentos está testemunhando uma mudança significativa em direção ao DeepTech, impulsionado por seu potencial para retornos mais elevados e sua singularidade inerente. As empresas DeepTech, por sua natureza, mergulham em avanços tecnológicos inovadores, muitas vezes protegidos por patentes e direitos de propriedade intelectual (PI). Esta singularidade não só as diferencia do espaço lotado das startups de software, mas também oferece uma camada de proteção da concorrência que é altamente valorizada pelos investidores. Altos retornos e fossos competitivos Os investimentos DeepTech são cada vez mais atraentes devido ao potencial para retornos financeiros substanciais. As tecnologias desenvolvidas nos setores DeepTech – que vão desde a biotecnologia e materiais avançados até à inteligência artificial e à computação quântica – têm o poder de perturbar as indústrias e criar mercados inteiramente novos. Este potencial transformador traduz-se em oportunidades financeiras significativas para os investidores que são os primeiros apoiantes de tais inovações. Além disso, a complexidade e a natureza proprietária das inovações DeepTech… Consulte Mais informação

O Novo Programa de Trabalho do EIC: Compreender a Eliminação do Processo de Refutação

No cenário dinâmico do financiamento da União Europeia (UE), o European Innovation Council (EIC) introduziu alterações notáveis no seu Programa de Trabalho para 2024, impactando diretamente o processo de candidatura e avaliação do financiamento. Entre esses ajustes, destaca-se a eliminação do processo de refutação, significando uma mudança para uma avaliação mais ágil e independente das propostas. Este artigo investiga as implicações desta mudança para startups e pequenas e médias empresas (PME) que procuram financiamento EIC Accelerator, com o objetivo de desmistificar a nova abordagem e oferecer orientação estratégica aos candidatos. A mudança do processo de refutação Historicamente, o processo de inscrição EIC Accelerator permitiu que os candidatos abordassem e “refutassem” comentários de avaliações anteriores em submissões subsequentes. Este processo de refutação permitiu às organizações refinar e melhorar as suas propostas com base em feedback específico, aumentando teoricamente as suas hipóteses de sucesso em rondas futuras. No entanto, no âmbito do programa de trabalho do CEI para 2024, este mecanismo foi eliminado. Consequentemente, não existe mais um caminho estruturado para os candidatos incorporarem melhorias de submissões anteriores diretamente em resposta aos comentários do avaliador. Avaliação Independente de Propostas Uma mudança significativa que acompanha a remoção do processo de refutação é a abordagem de avaliação de propostas. Os avaliadores não terão mais acesso a quaisquer submissões anteriores ou relatórios de avaliação de rodadas anteriores. Isto garante que cada proposta seja avaliada de forma independente, apenas com base nos seus méritos e em alinhamento com os critérios de avaliação normalizados do Horizonte Europa. Esta mudança visa nivelar as condições de concorrência, garantindo que todas as inscrições, sejam elas apresentadas pela primeira vez ou aquelas que se candidatam novamente, recebam uma análise imparcial. Incorporação de melhorias na narrativa Embora o processo de refutação estruturada tenha sido gradualmente eliminado, os candidatos mantêm a capacidade de refinar as suas propostas com base em comentários anteriores. Melhorias e melhorias ainda podem ser incluídas na parte narrativa B do formulário de inscrição. Porém, é importante ressaltar que não existe um formato ou seção específica designada para esse fim. Os candidatos devem, portanto, integrar perfeitamente quaisquer ajustes na narrativa geral da proposta, garantindo que as melhorias sejam coerentes e melhorem a qualidade e a viabilidade globais da proposta. Implicações estratégicas para os candidatos Esta modificação no processo de avaliação do CEI exige uma articulação estratégica para os candidatos. As startups e as PME devem concentrar-se na elaboração de uma proposta robusta e convincente desde o início, integrando a melhoria contínua como estratégia central, em vez de depender de ciclos de feedback específicos. Os candidatos são incentivados a: Realizar uma autoavaliação minuciosa: antes da apresentação, avaliar criticamente a sua proposta em relação aos critérios e objetivos do EIC, identificando áreas a melhorar sem depender de feedback externo. Aproveite o apoio profissional: envolva-se com consultores, escritores profissionais ou freelancers com experiência em candidaturas a subvenções da UE para refinar a sua proposta, garantindo que está alinhada com as prioridades e padrões atuais do EIC. Enfatize a inovação e o impacto: Com cada proposta avaliada com base nos seus próprios méritos, destaque a inovação, o potencial de mercado e o impacto social do seu projeto, apresentando um argumento convincente para o financiamento do EIC. Conclusão O programa de trabalho do CEI para 2024 introduz uma mudança de paradigma na forma como as propostas são avaliadas, com a eliminação do processo de refutação sublinhando uma evolução no sentido de avaliações mais independentes e baseadas no mérito. Embora esta mudança desafie os candidatos a adaptarem-se, também abre oportunidades para apresentarem as suas inovações da melhor forma possível, livres da sombra de candidaturas anteriores. Ao abraçar uma estratégia de melhoria contínua e ao alavancar a experiência profissional, as startups e as PME podem navegar com sucesso nestas mudanças, posicionando-se fortemente para o financiamento EIC Accelerator.

Rasph - Consultoria EIC Accelerator
pt_PT